Reencarnação: Uma Evidência Científica

Existiria algo depois da morte física? Tudo indicaria que SIM, pois a ciência de vanguarda já parece atestar que o corpo da criatura humana não depende única e exclusivamente dos elementos materiais para a sua manifestação neste plano.

defaultAs sábias doutrinas orientais invariavelmente foram estabelecidas na tese da reencarnação, e nesse ponto as antigas civilizações sempre estiveram muito além da nossa em matéria de concepções espirituais e religiosas. Com efeito, a própria Mãe-Natureza sempre demonstrou aos nossos mais remotos ancestrais que não existe aquilo que denominamos “morte” mas, sim, uma eterna transformação, um ciclo de renovação em perpétua manifestação.

Ao observar as mudanças das estações, o nascer e o por do sol, os movimentos dos astros no espaço infinito e a compreender que de fato existem certas forças o superiores que regem todas as coisas, os antigos sábios perceberam que no âmago da estrutura corporal e física das criaturas existia, contudo, algo mais e verdadeiramente sutil.

Concepções religiosas deturpadas ao sabor de vários interesses, porém, vieram através dos tempos obliterando essa crença e também, pouco a pouco, dominando vastas camadas da população mundial. Crenças estapafúrdias pretendiam e impunham a existência de supostos “céus” e “infernos”, aos quais seriam destinadas eternamente as almas dos bons ou, em contrapartida, as dos pecadores. Ou seja, essas almas ficariam estáticas nesses lugares até o momento de uma hipotética e além de tudo absurda “ressurreição”.

Exatamente o oposto daquilo que foi ensinado até mesmo por aqueles que escolheram como seus patronos. Como foi, por exemplo, o caso de Cristo que a ensinou abertamente aos seus discípulos e seguidores. Tudo convenientemente suprimido dos verdadeiros Evangelhos.

Mas os antigos na sua sabedoria milenar já até mesmo retratavam nos seus afrescos e pinturas um certo tipo de emanação luminosa que de fato sabiam existir ao redor de todas as coisas.

Modernamente, deve-se ao cientista russo Semyon Davidovich Kirlian e à sua esposa Valentina Chrisanfovna a descoberta quase que acidental daquilo que os soviéticos preferem chamar de bioplasma e os ocultistas há muitos milênios atrás já chamavam de aura!

Essa colisão com uma verdade muito antiga ocorreu quando aqueles cientistas constataram a existência de brilhantes luzes exatamente na ocasião em que um corpo humano é colocado em um campo de correntes elétricas dotadas de alta freqüência. Tal descoberta, depois aperfeiçoada e além de tudo oficializada pela Academia de Ciências da extinta URSS, despertou o interesse de várias outras especialidades, notadamente a Medicina, pois a variação e a intensidade dessas cores poderá indicar especificamente uma parte do corpo que esteja sofrendo algum distúrbio ou, o que é mais notável, que brevemente irá ser afetada por uma doença – especialmente o câncer.

Todas as coisas possuem uma aura, mesmo os objetos materiais. A notável diferença consiste em que a deles é estática, ao passo que a das criaturas vivas (plantas, animais e homens) é vibrante, maravilhosa, multicolorida. Assim como se fora uma mini-galáxia, notam-se luzes cintilantes, ondas luminosas, cintilações e explosões. E o mais impressionante de tudo é que a aura varia de acordo com os mais diversos sentimentos, tais como o enlevo, o amor, o ódio – até mesmo as mais diversas condições de saúde e doença!

Quando por exemplo duas pessoas se amam e se tocam, suas emanações se interpenetram, vibram verdadeiramente em uníssono e quando, pelo contrário, existem sentimentos de antipatia ou animosidades, as auras se repelem violentamente. É o chamado “choque de auras”, quando por exemplo vemos uma pessoa pela primeira vez e algo dentro de nós (acertadamente por sinal) instintivamente não gosta dela e sente uma inexplicável repulsão.

Filosoficamente falando, os cientistas provaram que as coisas vivas têm mais de um corpo além da estrutura puramente física. Além da aura, um outro campo verdadeiramente sutil de energias muito fortes e atuantes, que contudo lentamente abandonam o veículo físico quando ocorre a chamada “morte”.

A aura, que muitos preferem chamar de perespírito não deve contudo ser confundida com a alma. Aliás, espírito e alma não são a mesma coisa, assim como muitos erroneamente julgam e até professam as suas crenças religiosas. Espírito é a energia que permeia toda a matéria (desde um planeta até uma minúscula partícula atômica), podendo-se dizer que seja de fato a aura que existe em todas as coisas. Já a alma é uma freqüência vibratória de natureza muito rápida e elevada que forçosamente escapa do corpo das criaturas vivas quando ocorre a transição para outro plano, ou dimensão, mais vulgarmente e também erroneamente conhecida como “morte”.

AlmaAliás, cientistas de vanguarda já detectaram que algo realmente escapa do ser humano quando isso ocorre. A experiência consiste em colocar o corpo de um moribundo sob monitoramento de balanças de altíssima precisão e quando sobrevém o desenlace nota-se a perda de algo intangível e incorpóreo (e no entanto bem real!) cujo peso é exatamente 2,5 gramas. Seria o peso da alma!

Por outro lado, notáveis resultados têm sido obtidos através das chamadas experiências de regressão (que por sinal somente devem ser feitas por pessoas realmente habilitadas), onde diversos traumas são curados pela lembrança de acontecimentos desagradáveis e dolorosos vividos em anteriores existências. A regressão, sem qualquer dúvida, trata-se de um excelente meio para se provar a continuidade da vida através de várias encarnações.

E não se trata de fraudes ou imaginações das pessoas submetidas a tal método, uma vez que os nomes, locais e até mesmo datas mencionados durante o transe hipnótico já puderam ser devidamente verificados e confirmados, através de várias pesquisas científicas!

Os céticos e os pretensos sábios argumentam que se isso fosse verdade, hoje cada um de nós lembraria dos detalhes das suas vidas passadas. Mas aí entra em cena um outro fator: a inflexível Lei do Carma, ou, como bem disse o Mestre Jesus, “a cada um conforme as suas obras”. Mais conhecida como Justiça Universal, essa verdade impessoal e eterna literalmente apaga as lembranças de cada vida passada, de modo que possamos em uma outra existência sermos colocados em meio às mesmas situações em que falhamos; diante por vezes das mesmas almas com as quais convivemos no passado, para que possamos nos redimir ou então permanecer incorrendo nos mesmos erros – que posteriormente deverão ser resgatados até que a lição seja devidamente aprendida.

O Carma não é vingativo como se possa pensar. Muito pelo contrário, tal como Deus ele é essencialmente justo. Não somente podemos ser recompensados como também punidos. Tudo aquilo que fizermos (e muito principalmente o que deixarmos de fazer) será analisado, medido, e cobrado – sempre na mesma intensidade!

Não seria mesmo o caos se as pessoas lembrassem do passado, daquilo que ocorreu em uma vida anterior? Muitas vezes o rei volta como mendigo, para sofrer na pele os desmandos que levou a efeito e aprender a dar mais valor às coisas que deixou de praticar em prol dos menos assistidos. Um homicida ou um ladrão do passado se acaso lembrasse das barbaridades que produziu, hoje viveria em paz consigo mesmo? E quando os desafetos do passado são colocados dentro do mesmo teto para que tenham a oportunidade de se redimirem através do sentimento maravilhoso do perdão? Tudo, pois, tem o seu propósito no Glorioso Esquema Cósmico. Até mesmo aqueles que se lamentam pelo fato de terem gerado uma criança defeituosa, ou pela circunstância que lhes é colocada ao ampararem um parente idoso e inválido, cujo fardo terão que carregar pelo resto das suas vidas, jamais deveriam considerar isso como uma espécie de castigo mas, sim, agradecer a oportunidade que estão tendo em praticar o sentimento maior representado pelo amor e pela misericórdia. Esta é, portanto, a Lei: quando ajudamos a alguém estamos na verdade ajudando a nós mesmos…Imensamente!

As almas verdadeiramente viajam. De mundos para mundos, de existências para existências, passando por etapas que vão do denso ao menos denso, da matéria bruta ao espírito. Isso também taparia a boca dos céticos, que sempre questionam de onde viriam tantas e tantas almas que superpovoam o planeta. Elas são chamadas para os mundos em etapas evolutivas que lhes são mais congeniais, dos mais selvagens e hostis aos mais puros e evoluídos – de acordo com o merecimento, sempre perdendo pouco a pouco a matéria e ganhando gradativamente a verdadeira dimensão de alma.

Existe sim, uma força superior que denominamos DEUS. E essa força já provou aos cientistas que está presente muito principalmente no momento da morte, quando é invocada. Uma das mais belas e surpreendentes experiências foi levada a efeito nos EUA pela equipe do dr. N. Jerolme Stowell, precisamente em setembro de 1970, quando sensíveis gravadores aliados a um tipo especial de galvanômetro destinavam-se a medir o que exatamente ocorre no cérebro humano no momento da chamada morte.

A pessoa escolhida, uma mulher em estado terminal, tinha poucos momentos de vida e se ofereceu para ser o alvo de tal experiência. O aparelho altamente sensível tinha sido calibrado através de uma potente emissora de rádio com potência de 50 quilowatt e que expedia as suas ondas para todo o planeta, quando então atingia nove pontos positivos na sua escala altamente precisa.

Os cinco cientistas deixaram a paciente à vontade nos seus últimos minutos de vida e quando monitoravam o experimento na sala contígua ficaram verdadeiramente perplexos ao ouvirem aquela mulher invocando o nome do Criador, pedindo perdão pelas suas faltas, reconhecendo Nele a maior de todas as forças e dizendo o quanto O amava. Neste momento a vida da mulher se foi e o ponteiro do galvanômetro encostou violentamente no seu ponto máximo positivo: na escala altamente precisa que marcava 500!

O que em outras palavras significava que o cérebro daquela mulher que morria ao lado, sozinho e em comunicação com Deus, atingia mais que cinqüenta e cinco vezes o poder de emissão de uma potente estação de rádio que, com 50 quilowatt, irradiava as suas ondas para toda a Terra!

O que levou o dr. Jerolme Stowell a declarar, referindo ao impressionante potencial das ondas cerebrais humanas: “esse canal tem tantas nuances nos diferentes comprimentos de onda em cada indivíduo, separadamente, que cada cérebro é tão separado da identidade como as impressões digitais de cada um. Talvez elas sejam registradas no “paraíso” da mesma forma que o FBI pode guardar um arquivo das nossas impressões digitais em Washington D.C.”

Mas o que de fato ocorre na chamada “morte”? Algumas pessoas já passaram por esse “portal para o desconhecido” e por motivos ignorados puderam retornar contando aquilo que sentiram, ou vivenciaram. Na maioria dos relatos, os que passaram pela morte clínica e voltaram, dizem ter vistos a si próprios a partir de um plano superior, como se flutuassem no ar. Escutavam perfeitamente o que se passava no ambiente e afirmaram ter visto um túnel de imensa luminosidade para o qual eram sugados. A sensação de paz e libertação fazia-se maravilhosa, tanto que não mais desejavam voltar ao mundo físico. E se o fizeram foi a contragosto! Alguns afirmam ter visto seres muito benéficos, ou até mesmo parentes e pessoas queridas que os precederam na morte, estendendo amorosamente as mãos para levá-los através do tal túnel.

Parece que na transição (este é o nome mais apropriado) existe uma mudança de dimensão, ou plano. A freqüência elevadíssima da alma mesclar-se-ia, por assim dizer, ao Cósmico e nas suas mais sutis nuances vibratórias – algo assim como uma gota de água de volta ao oceano. Haveria um certo intervalo de preparação, ou espera, quando então a alma seria chamada de volta ao plano denso (ou menos denso) que lhe seja mais afeita, ou congenial.

Nada portanto de dizer que do outro lado existem cidades, casas, comércios e outras coisas mais materiais do que espirituais, pois tudo isso é um contra-senso, verdadeira balela! Puras e muito sublimes formas de vibrações atuando em oitavas muito acima da nossa compreensão, nada mais que isso!

E imaginem os benefícios que teríamos se a crença na reencarnação não tivesse sido sufocada pelos muitos interesses religiosos através dos tempos. Se cada um soubesse que aquilo que pratica terá implicações e será cobrado nesta mesma vida, ou talvez em um outra, sempre com a mesma intensidade, pensaria duas vezes antes de cometer uma iniqüidade ou um ato desonesto. Se todos soubessem que constróem precisamente hoje a sua vida futura e planejam com os seus atos os caminhos do porvir, velariam mais e mais pela evolução da própria alma e tudo fariam para passar aos planos mais puros do Éter Universal.

ReencarnaçãoEnfim, quer queiram ou não os céticos, os materialistas e sobretudo os espertalhões, a reencarnação já é um fato provado pela ciência. E a cada dia que passa, quanto mais evolua a ciência de vanguarda mais novidades a esse respeito certamente virão.

Lá nos outros planos, lá pelas outras dimensões com as quais sequer sonhamos, existem de fato entidades que amorosamente nos esperam. Viver, pois, a vida da maneira mais simples e natural possível; amar no mais santificado e puro sentido da palavra; jamais deteriorar e sobretudo honrar as tradições hereditárias e universais; e muito principalmente praticar o perdão e a misericórdia em toda a sua plenitude, serão as chaves para abrir os portais maravilhosos que inevitavelmente e um dia qualquer, nos esperarão após atravessarmos um túnel muito luminoso.

Exceto, é claro, quando se trata dos suicidas – para os quais não existirá qualquer forma de auxílio no outro lado. Apenas um limbo desesperador (escuro e habitado por vibrações semelhantes e sofredoras), até que cumpram o seu devido tempo que, pelo fato de terem contrariado Supremas Leis, pervertida e temerariamente abreviaram !

Assim sendo, para as poucas almas racionais e ainda lúcidas em meio a toda esta loucura deambulatória que nos cerca, a ordem para o terceiro Milênio será praticar, ouvir com verdadeiros ouvidos e ver com os verdadeiros olhos, toda maravilha que se encerra neste trecho da sagrada e muito antiga Tradição Tibetana:

Um Deus-Átomo dorme em cada pedra. Logo, desperta em cada planta. Move-se em cada animal; pensa em cada homem e ama em cada anjo. Por conseguinte, devemos tratar cada pedra como se fora um vegetal. A cada vegetal com o um animal querido. Cada animal como um ser humano e todo ser humano como a um anjo

E assim é. Uma vez que compreendemos tão pouco aquilo que verdadeiramente somos, e até mesmo o próprio planeta em que vivemos é talvez mais misterioso do que os outros que nos rodeiam no sistema solar! Sigamos, pois, nesta nossa pequena jornada, examinando mais um intrigante mistério:

Fonte: Insólito! Mistérios do Céu, da Terra, do Espaço e do Tempo – Sérgio Russo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s