Um Cosmos Acessível

Realização como esta, só pode ser possível para aqueles que tem a opção ($) de torna-la, já que as orbitantes quantias empregadas para tal desejo não é fácil, como não esta no direito de qualquer um mortal para tal empreendimento. A realização de um sonho que “custa os olhos da cara” que gasto aqui por baixo sairia bem mais em conta.

Uma viagem como esta deve ser fascínante para quem a faz! Por não se tratar de uma “ida ao interior ou ao litoral de qualquer cidade, estado ou país do mundo“, mas uma pequena olhada para onde os nossos olhos consiga alcançar. Nós, que estamos “presos nesta estação que silenciosamente segue seu rumo como muitos outros mundos do universo” e de onde a visão de (mundo) não é tão favorável da nossa esfera.

Quem sabe podemos nos sentir livres de um mundo denso, e nós, o tempo  todo tentando fazem com que a nossa imaginação chegue aos confins do universo, mesmo que apenas numa simples viagem ao cosmo, mesmo que seja apartir da órbita terrestre.

Porque não? Você não desejaria isto? Nem que fosse por um simples dia? Tentar advinhar, sonha, pensar e imaginar, onde esta as nossas verdadeiras origens como parte da “criação-átomo-enérgia“, desde que olhos alcance o verdadeiro Lar do qual viemos. Mas quando se quer tudo torna-se possível! Até por uma questão de sonho realizado, o dinheiro pode pagar e tornar você um “astronauta” numa única viagem que jamais será superada e inesquecível para o resto da sua vida.

A realização pode ser real desde que você pague ($$$$$$$)

A realização pode ser real desde que você pague ($$$$$$$)

Em 2013-2014, nos EUA terão início vários projetos turísticos suborbitais: astronautas-amadores serão transportados a uma altitude de 100 quilômetros, onde começa o estado de imponderabilidade. Os peritos, porém, não consideram isso como espaço a sério. Por enquanto, só a Rússia pode transportar turistas em viagens orbitais até à Estação Espacial Internacional (EEI).

Foi nos anos de 1980 que se começou a falar sobre o turismo espacial. Os EUA até realizaram um lançamento experimental, no qual morreu uma turista. Mas só a Rússia teve êxito nessa área. A partir de 2001, as naves russas Soyuz transportaram com sucesso até à zona orbital sete turistas espaciais. O primeiro foi o estadunidense Dennis Tito. Tendo pago 20 milhões de dólares, ele partiu para o espaço em 2001 e esteve em órbita durante nove dias. Tito considera que por essa experiência e por todas as impressões recolhidas até se podia pagar mais:

Eu dei 28 voltas à Terra. Cada nova volta apresenta um novo padrão de nuvens e outra luminosidade. Ficas a conhecer muita coisa sobre o nosso planeta, que entretanto vai rodando por baixo de nós. Claro que não o vês na totalidade, como seria possível a partir da superfície da Lua mas, mesmo assim, te dás conta de como a Terra é única e preciosa. A atmosfera, por exemplo, não passa de uma fina camada sobre o planeta e nos apercebemos de como o homem pode realmente prejudicá-la.”

Depois de os ônibus espaciais norte-americanos terem deixado de voar, só os Soyuz russos podem transportar astronautas até à EEI. Por enquanto, ainda não há lugares para os turistas. A corporação espacial russa Energia está desenvolvendo, há já vários anos, uma nave turística especial. Já àqueles que se querem elevar o mais alto possível sobre a superfície da Terra resta-lhes apenas o turismo suborbital. Esses voos serão mais curtos, mas muito mais simples, considera Igor Marinin, editor principal da revista Novosti Kosmonavtiki (Notícias da Cosmonáutica):

Para levar uma nave até à órbita terrestre, esta deverá acelerar até uma velocidade de oito quilômetros por segundo. Ela deverá depois entrar na atmosfera da Terra à mesma velocidade. Isso é uma questão complexa devido às sobrecargas e à temperatura. Para organizar o turismo suborbital, subir até uma altitude de 100 quilômetros e depois descer, é necessário apenas acelerar até aos 1,5 quilômetros por segundo. Portanto, não há nem o sobreaquecimento, nem as sobrecargas. Essa versão é acessível para qualquer pessoa mais ou menos saudável.”

Os voos sub-orbitais serão mais baratos do que os orbitais. A empresa Virgin Galactic, por exemplo, promete transportar turistas para o espaço por dois milhões de dólares, apesar de, na fase inicial do projeto, se ter falado em apenas várias dezenas de milhares. O primeiro lançamento está planejado para dezembro de 2013. De acordo com o presidente da companhia, o bilionário Richard Branson, ele sempre sonhou não apenas viajar ao espaço, mas também partilhar esse sonho e essa experiência com as outras pessoas.

Desde a infância, desde a altura em que vi o desembarque dos astronautas na Lua, que sonhava ir ao espaço. Eu mal aguentei até aos anos 90, quando o governo anunciou o seu interesse em que todos nós, cidadãos comuns, possamos ir ao espaço. E num belo dia, eu peguei um avião e viajei por todo o mundo: em busca de especialistas e cientistas que pudessem construir uma espaçonave.”

Há muitos peritos que duvidam, no entanto, da possibilidade de a iniciativa de Richard Branson ter sucesso. O lançamento já foi por diversas vezes adiado devido a problemas com a nave espacial. O voo nessa nave é um risco elevado para se desfrutar de apenas alguns minutos de imponderabilidade. Nesse aspeto, os voos até à EEI nas Soyuz russas são o percurso turístico ideal, com garantias tanto de segurança, como de experiências inesquecíveis, concluem os peritos.

Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s